quarta-feira, 27 de julho de 2016

Wep Ronpet: Como celebrar o Ano Novo?

As temporadas keméticas são: o verão, a inundação, e o crescimento daquilo que foi plantado. Este é o ciclo kemético que se renova e prospera através de festivais e ritos de purificação, renovação e concepção de ma'at pelos deuses por intermédio da líder da nação de Kemet. Não é exigido de nenhum membro celebrar cada único festival, porém festivais importantes como o Wep Ronpet merecem atenção.

Primeiro, os dias epagomenais, ou intercalares.

Eles não estão dentro, mas fora do ano kemético. São não-dias concedidos à Nut, desde que Ra havia amaldiçoado todos os dias do ano para que ela não concebesse Seus Filhos. Através de um jogo com Khonsu, o deus lunar, Djehuty conseguira cinco dias extras para que os cinco filhos de Nut nascessem. E eles são, Wesir, Heru-wer, Set, Aset e Nebthet, completando os grande nove deuses da Enéada de Iunu (Heliópolis, em grego).

Como qualquer aniversário, esses dias requerem celebração, e desde que estes não são dias comuns, coisas inusitadas podem acontecer. Pedir por proteção e auxílio durante o ano pode vir a calhar. Basicamente, estarei oferecendo vela e incenso para cada um deles, e isso é comumente feito no período do nascer do sol. Você pode criar um mini altar com uma tigela de ofertas e uma imagem da deidade, e qualquer outra oferenda, ou pode escrever uma carta para a cada deidade, mantê-las com você, queimando-as no Wep Ronpet.

source

O festival de ano novo se inicia com as lágrimas de Aset-Sopdet, chorando enlutada pelo seu marido perdido, e fazendo com que o Nilo se encha e mantenha uma população inteira viva através da dádiva que as águas de Khnum concede. Como parte de nossas celebrações, massacramos a serpente Apep para desfazer qualquer mal durante o ano, e como este é o início, o Zep Tepi, "beijamos a face de Ra" pela primeira vez, banhando-nos no brilho do sol.

Para os keméticos, o mundo acaba e renasce a cada dia, com o nascimento do Sol no horizonte. Os antigos entendiam que sem o Sol, não haveria vida, sustento, e nem claridade o suficiente para viver o cotidiano. Por isso, eles adoravam a majestade de Ra, que derrotava a serpente do mal sempre antes do amanhecer, mantendo a Criação sã e salva em toda a primeira vez.

Com o objetivo de louvar os deuses, o Zep Tepi, e dirigir o mal de mais um ano kemético para fora, fazemos várias atividades que nos colocam em harmonia com ma'at e com a comunidade kemética em si. É comum fazermos execrações, que seria literalmente destruir o isfet através de um pote de barro, um pedaço de papel ou um bolo assado em formato de cobra. Usar tinta vermelha para referir-se ao isfet é comum, utilizada para escrever tudo o que queremos execrar, e por fim, damos um fim nessas palavras fazendo riscos sobre elas, perfurando e rasgando o papel, triturando o pote de barro, ou literalmente decepando e comendo o bolo de serpente.

Como nossas casas tem a tendência de acumular energias desnecessárias, nos desfazemos de tudo aquilo que está em desuso, ou que sentimos que deve ter um destino próprio. Costumo limpar o meu quarto, meu altar e reconsagrá-lo. Parece um ato muito simples, mas é um heka poderoso para o Wep Ronpet, e os deuses apreciam seus espaços sendo limpos através dessa energia de Zep Tepi. Experimente limpar a si mesmo, seus maus hábitos, as coisas que precisam ser mudadas, e experimente trazer ma'at para a sua vida diária, e para a vida de outrem. Esse é um novo começo, e uma nova chance de (re)começar...

sábado, 23 de julho de 2016

30 Semanas de Heru-wer: Semana 26 - Como o seu relacionamento com essa deidade mudou ao longo do tempo?

source
Em minhas práticas anteriores, eu me identificava mais com Deusas e aspectos femininos do que deidades masculinas. Na Kemetic Orthodoxy foi o contrário. Os Deuses tomaram partida em me conhecer e entrar em contato comigo; e sentir a presença deles em meu culto pessoal foi um presente que me motivou a continuar louvando Netjer na minha vida diária.

Sinceramente, nunca senti uma conexão forte com Heru-wer, e eu não havia o contatado em nenhum momento antes de ser divinado, mesmo conhecendo suas teofanias e símbolos. Houve um momento que senti a presença dele e de Wesir antes da cerimônia em que estes estavam prestes a se apresentar para mim. E, ao saber que Ele era o meu Pai, tudo fez sentido. É como se ele estivesse há muito tempo na minha vida de uma maneira que eu não precisava perceber. A partir deste momento, eu soube a quem deveria prestar culto pelo resto da minha vida.

Heru-wer tem uma clara personalidade daquilo que eu não sou, mas que no fundo, é o que meu coração me diz para ser. Enquanto o tempo foi passando, Heru-wer pareceu aproximar-se aos poucos, e eu só fui sentir sua presença quando chamei seu auxílio para uma situação particular e complicada da minha vida, como se ele voasse ao meu resgate. Ele é um Pai muito atencioso e protetor, mas sinto que ele é muito rígido. Sua esposa, Heqat, tem feito presença ultimamente, seguida por Khnum, e através de ambos, sinto que Heru-wer está entre Eles, mais próximo de mim do que antes, e assim a vida segue.

segunda-feira, 18 de julho de 2016

30 Semanas de Heru-Wer: Semana 25 - Um momento em que a deidade te negou auxílio



Em Hotep a todos

Vamos para a nossa 25ª semana de culto com um tema bastante difícil e às vezes fácil de escrever. Deuses negam auxílio à seus filhos? Sim! Mas nada é por acaso!
Heru-Wer é um deus que exige de seus devotos uma conduta muito séria. Ele não é uma divindade de fazer nada para ninguém, ele é um Deus que está presente em seus momentos de dificuldade buscando te lembrar o quanto você é forte é capaz de superar todas as adversidades que a vida lhe impõe.
Lembra-se do Mito de Heru-Behdety quando ele clama à Ra para lhe ajudar e Ra lhe nega ajuda porque acreditava que Ele podia vencer o isfet sozinho? Pois é, é exatamente dessa forma que Ele trabalha, ele não faz por você, ele se afasta, te deixa sozinho par você enxergar o quanto é forte e o quanto pode! 
Os deuses não fazem nada do que nós mesmos podemos fazer!
São tantos momentos que experimentei a amargura de estar "sozinho", quando tive que provar pra mim mesmo que eu poderia e confesso a todos os leitores que isso é uma luta diária para mim: lutar para provar a mim mesmo que posso e que sou capaz! E sei que Heru-Wer está lá do céu a me olhar, distante mas extremamente próximo de mim dizendo: Vá filho, você pode vencer! Você é um guerreiro! Não desista!

Nekhtet!
Dua Heru-Wer o//

sexta-feira, 8 de julho de 2016

30 Semanas de Heru-wer: Semana 24 – Um momento em que essa deidade te ajudou



Em hotep.

Até hoje, nunca notei alguma divindade me ajudando diretamente. Os deuses interferem na vida das pessoas, mas creio que eles não chamam sempre a atenção da pessoa, necessariamente. Alguns conseguem sentir a divindade os ajudando em algo, através de sinais, emoções, ou coincidências... Quando uma divindade me chama a atenção, consigo sentir que ela não se importa em ter minha atenção, por exemplo, ela aprecia. "Ouvir" os deuses leva muito tempo, e vivência. E se eles não estão dizendo nada, é porque está tudo bem, e não há nada urgente que se precise saber.

Dito isto, Heru-wer me ajuda trazendo inspiração e força de vontade. Ele é bastante amigável, mas tem um semblante autoritário, durão. Mas ele é do bem. Quando estou orando para ele, sinto sua presença, um "estou aqui para te ajudar, meu filho". Porém, sinto que no momento existe outra divindade que está apta a me ajudar com questões diferentes, mas Heru-wer sempre está ao meu lado. É impossível eu, Kham, fazer uma lista de todas as coisas que os deuses me ajudaram. Eu sei que eles ajudam, e isso independe de qual delas me forneceu tal benção. A não ser que ela queira que eu saiba, claro.

Senebty

sexta-feira, 1 de julho de 2016

30 Semanas de Heru-Wer: Semana 23 – Uma composição autoral sobre a deidade

source
Eu chamo aquele que voa no alto do céu
Eu chamo o falcão de plumagem salpicada
Eu chamo o quebrador de ossos
Eu chamo Heru-Wer

Eu chamo aquele cujo olho direito brilha pela dia
Eu chamo aquele cujo olho esquerdo brilha a noite
Eu chamo aquele que tudo vê e tudo está sob seu controle
Eu chamo Heru-Wer

Eu chamo o senhor do terror
Eu chamo o general dos exércitos
Eu chamo o amado de Hethert
Eu chamo Heru-Wer

Eu chamo o filho de Geb e Nut
Eu chamo o pai de Ihy
Eu chamo o meu grande pai
Eu chamo Heru-Wer

Eu chamo o Destruidor do Isfet
Eu chamo A Grande Chama
Eu chamo o soldado de Maat
Eu chamo Heru-Wer