domingo, 5 de novembro de 2017

Celebração através do calendário kemético

Em hotep. 

Khoiak é o meu mês preferido por uma série de razões, e como este mês é especial, decidi escrever sobre práticas devocionais baseando-as no calendário kemético, que possui uma grande variedade de festivais distribuídos em cada mês, e na minha perspectiva, honrar os deuses através do calendário nos coloca em uma rotina de devoção e contato contínuo com os netjeru de forma flexível e adaptável.

Como citado acima, o calendário é repleto de festivais, de natureza lunar, solar e estelar. E basicamente os festivais da metade do mês (Half-Month Festival) sempre estarão lá para que reflitamos junto dos deuses sobre a vida, a existência e a religião, e para permiti-los fazer parte do que estamos passando no momento. No fim de cada mês há uma celebração especial para Ra, Heru e Wesir, divindades ligadas à continuidade e estabilidade da realeza em ambos os mundos. 

Água fria é uma oferenda tradicional e comum, tão como o pão e perfume - incenso, flores, óleos. Parecem oferendas simples para nós, à primeira vista, mas água fria por exemplo era valiosa em Kemet. Outras oferendas comuns são cerveja, e refeições do dia a dia etc. Outras formas de louvar os deuses são através de orações antigas, encontradas do Ancient Egyptian Prayerbook, ou modernas.

Os meses são sagrados para determinadas divindades, elas presidem e nos guardam durante todo o mês. Khoiak é sagrado a Sekhmet, a Soberana, e podemos homenageá-la no decorrer do mês. O Sexto Dia de cada semana é consagrado ao Akhu para serem lembrados e venerados, nossos ancestrais que nos inspiram a viver com sabedoria na terra em que eles uma vez já pisaram. 

Não é necessário celebrar todos os festivais do calendário, pois de fato são muitos para dar conta. Contudo existem aqueles que são maiores e nacionais, e que toda a comunidade celebra junto da Nisut (ankh udja seneb). Um destes festivais é o grande Festival de Wesir (os Mistérios de Wesir), que acontece no fim do último mês de Akhet.

A prática pessoal, realizada em sua própria casa, pode ser muito personalizável ao seu próprio estilo de vida, então não há com o que se preocupar com o calendário. Não obstante, sempre haverá Dua para festivais maiores, e também alguns menores. E por ser estatal, as coisas acontecem de forma tradicional.

Para mais informações sobre o calendário kemético, o Ancient Egyptian Daybook é uma detalhada e completa fonte de informações: http://www.egyptiandaybook.com/

segunda-feira, 31 de julho de 2017

Heriu ronpet - dias epagomenais

No fim do ano, alguns (não-)dias são separados para um ato de Criação em si, o nascimento dos cinco filhos de Nut. São dias propícios para o incomum e o perigo se manifestar, portanto segue a tradição de se proteger através de amuletos e orações para afastar o caos e os imprevistos ruins, principalmente no dia do nascimento de Set. Um mito em grego prega que Djehuty é responsável por esses não-dias existirem, e assim a concepção dos filhos de Nut podem acontecer antes do próximo ano de fato começar. Os dias epagômenos não correspondem a nenhum mês, e pode sofrer alterações devido a localização atual do Rei, podendo ser acrescentado alguns dias neste mini-mês. 

O primeiro não-dia é dedicado ao nascimento de Wesir, herdeiro de Geb, Rei e Senhor de seu Povo. Wesir representa o lodo fértil de Kemet, e o milagre da terra que faz com que a semente germine e traga a vegetação e o alimento proveniente dela. O segundo é dedicado a Heru-wer, o céu diurno, o sol e a lua, de natureza bélica e vitoriosa. O terceiro é dedicado a Set, irmão gêmeo de Heru-wer, a areia vermelha, o deserto estéril, a tempestade e a força dura e fria que suporta ma'at de forma instintiva e necessária. O quarto corresponde à Aset, Grande Rainha, mãe, esposa e Weret-Hekau. O quinto e último dia é correspondente à Senhora do Templo, Nebthet, quem guia os akhu para Amenti, a Terra dos mortos abençoados. 

Depois da celebração de cada um dos cinco filhos de Nut, segue-se o nascimento de Ra-Heruakhety, em que ocorre o Zep-Tepi, a primeira vez - um novo ano. 


terça-feira, 11 de abril de 2017

Nossa Indicações de Livros em Português

Para qualquer um que esteja interessado em conhecer e se entreter com a cultura egípcia, trago algumas indicações de livros feitas por HeryHeru e KhamHeru que você pode querer adquirir e ler como parte de seus estudos. Demos preferencia para livros em Português, isso porque não temos livros sobre Ortodoxia Kemética em português, somente em inglês. Sendo essa uma pergunta que muitos nos fazem, decidimos fazer essa lista de livros que contribuem intelectualmente a praticantes da Ortodoxia Kemética. Segue abaixo a lista:


1. O Guia dos Hieróglifos Egípcios: Como ler e escrever em egípcio antigo, por Richard Parkinson.



"Ótima leitura para compreender como se escreve e principalmente como se lê a língua kemética. Trás uma boa base de entendimento de como se pronuncia as palavras".

2. Fatos e Mitos do Antigo Egito, por Margaret Marchiori Bakos.



"Livro bem acadêmico, mas de fácil leitura. Tem uma boa lista de mitos e contos, além de trazer muito do dia a dia dos antigos. Ótimo para compreender a cultura e a forma de pensamento dos antigos keméticos".

3. A Magia Egípcia: Pedras, Amuletos, Fórmulas, Nomes e Cerimônias Mágicas, por E. A. Wallis Budge.



"Apesar de Budge ser um autor conservador e controverso, o livro é uma boa base para compreender o sistema de magia kemética, como o uso de elementos que podem ser empregados no dia a dia de qualquer praticante. Os ritos e fórmulas algumas vezes não podem ser empregados hoje, mas podem ser adaptados utilizando os elementos principais."

4. Deuses, Templos e Faraós: Atlas cultural do Antigo Egito, por John Baines e Jaromir Malek.



"Muito útil para compreender as cidades de cultos das divindades. Trás uma abordagem simples e completa das cidades keméticas com fotos e excelentes textos explicando a função e o dia a dia dos diferentes locais. Ótimo para compreender a importância das cidades para os keméticos".

5. O Mundo Mágico do Antigo Egito, por Christian Jacq.



"Leitura obrigatória!! O livro trás várias abordagens da religião kemética. Você vai encontrar em diversas partes do texto termos usados na Ortodoxia Kemética. É uma leitura agradável que pode ajudar muito o praticante a compreender melhor a religião".

6. As Religiões no Egito Antigo: deuses, mitos e rituais domésticos, por Byron E. Shafer, John Baines, Leonard H. Lesko e David P. Silverman.



"Um livro ótimo! Tanto por questões culturais quanto religioso! Trás uma contribuição principalmente em questões de interpretação dos mitos e compreensão dos deuses, com ênfase numa exposição fabulosa sobre sincretismo dos deuses".

7. Escrito para a Eternidade: A literatura no Egito faraônico, por Emanuel Araújo.



"Uma obra magnífica para quem quer ter contato direto com a literatura egípcia. Mitos, lendas, contos, poemas e muito mais!"

8. Religião e Magia no Antigo Egito, por Rosalie David.



Considero um ótimo livro para quem deseja compreender a história egípcia de maneira cronológica, completa e detalhada. Muito útil para ter ideia do desenvolvimento, costumes e vivências dos antigos egípcios.

Alguns livros podem não estar disponíveis nas grandes livrarias, mas podem ser encontrados em sebos online, como no site Estante Virtual.

Esperamos que tenha lhe ajudado de alguma forma! Gostariamos de ter um feedback de suas leituras ou até mesmo alguma indicação pertinente.

Ate mais...

Senebty